GCNBRASIL.

Gestão de Crises e Continuidade dos Negócios

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

PREGANDO NO DESERTO

Email Print

Toda a empresa, não importando se é uma grande corporação multinacional, uma pequena sorveteria de uma pequena cidade, um órgão de governo ou um banco, depara-se ao longo de sua história com eventos inesperados, os quais exigem algum tipo de resposta.

A resposta adequada normalmente dependerá de planejamento e investimento, duas ações que normalmente levam os executivos a discutirem uma simples questão: Por que preciso investir em Continuidade dos Negócios?

Independentemente de responder a esta questão, GCN não se tornará mais importante e nem será considerado da forma como merece na maioria das empresas. Ainda não.

O motivo é simples e nasce com o ser humano, chama-se negação, o mais comum dos mecanismos de defesa e que normalmente será utilizado para não iniciar um projeto de GCN.

Prepare-se, pois a frase “mas isso nunca aconteceu” ou “isso nunca acontecerá conosco” será muito ouvida pelo responsável pela GCN corporativa.Não fazer é muito mais fácil e barato do que fazer, não é?

Já passei por isso e alguns colegas, de outras empresas, já me confidenciaram que chegou um momento onde a vontade era de abandonar o barco e trabalhar com algo mais simples.

Saiba que para seguir em frente é necessária uma qualidade muito importante, chamada persistência. Pergunte-se: Sou persistente? Tenho tolerância à frustração? Gosto de desafios? Se a resposta for SIM continue.
    
Você observará que após a criação de uma estrutura de Continuidade dos Negócios, alguns gestores pensarão que a empresa está segura e à prova de interrupções, trazendo junto a isto a sensação do dever cumprido. Infelizmente, continuidade dos negócios não é só um projeto, deve ser encarado como um estado de espírito.

A Continuidade dos Negócios, para ser realmente efetiva, exige mudança cultural.Sendo bem honesto, continuidade dos negócios num primeiro momento não fascina, não anima e normalmente não envolve a maioria das pessoas. E este, no meu entendimento, é o maior desafio dos profissionais dedicados a este assunto: fazer com que todos participem e se envolvam de forma profunda nas atividades que fazem um Plano de Continuidade deixar de ser apenas um monte de papel.

A estrada é longa e no meio do deserto, e em cujo percurso você encontrará muitas pedras no caminho.

Este texto está em meu livro, escrito em 2010, pena que continue atual. Boa Sorte!

 

PUBLICIDADE

PARCEIROS


Translate

Portuguese English French German Italian Spanish

Creative Commons License
Site GCNBRASIL - Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.